A força da mulher brasileira no mercado de trabalho

Cerca de seis milhões de brasileiras são sócias de empresas. No factoring, elas também se destacam

No último dia 8 foi comemorado em todo o mundo o Dia Internacional da Mulher. A data é um reconhecimento ao papel da mulher na reivindicação de maior participação na sociedade e na luta contra a discriminação. O dia 8 de março começou a ser comemorado em 1910, mas somente em 1975, a ONU – Organização das Nações Unidas – oficializou essa data, resultado de uma longa luta das mulheres por melhores condições de trabalho.

Ao longo desses anos houve muita evolução. Segundo estudo inédito da Serasa Experian, o Brasil tem hoje cerca de seis milhões de mulheres sócias de empresas. A maior parte dessas mulheres atuam nas regiões Sudeste e Sul do país. Elas são microempresárias e têm, em sua maioria, de 31 a 50 anos. O estudo foi elaborado com base no banco de dados de empresas da Serasa Experian, o maior do mundo em volume de informações.

No setor de factoring, cresce cada vez mais a presença feminina, como ressalta Luiz Lemos Leite, presidente da ANFAC – Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil – Factoring. “No Brasil, nestes 31 anos da ANFAC, registramos com orgulho a participação da mulher em muitas empresas de fomento comercial, como empresária, profissional liberal ou colaboradora, ressaltando a sua discrição, o seu charme, a sua sensibilidade e sua responsabilidade, que, temos que admitir, são predicados exclusivamente das mulheres”.

A presença da mulher no dia-a-dia do mercado de trabalho tem sido um fator determinante na evolução de todos os setores da humanidade, de acordo com Lemos Leite. “A participação feminina vem mudando as condições do trabalho no mercado. Elas são mais preocupadas com sua formação profissional e com sua elegância pessoal a fim de, melhor alavancando os resultados do seu trabalho nas empresas, garantirem ganhos satisfatórios indispensáveis à sua sobrevivência e sustento”, complementa o presidente da ANFAC.

Única mulher a presidir um Sindicato de Factoring no Brasil, Patrícia Ferreira Borbon Neves de Cuiabá – Mato Grosso, presidente do Sinfac-MT, acredita que a participação da mulher no factoring vem crescendo timidamente, pois este segmento é bem mais praticado por homens. “Dos 18 sindicatos de factoring no Brasil, somente no Mato Grosso a presidente é uma mulher”, ressalta.

Patrícia, que desde 1998, ao lado do marido, está a frente da Aval Factoring, foi eleita presidente do Sinfac-MT para o triênio 2011-2013. “Nesta gestão tenho como objetivo difundir o fomento comercial, em nosso estado, promovendo cursos, workshops, palestras e publicações, demonstrando de forma ampla a nossa participação na atividade e contribuição a socioeconômica do factoring aos pequenos e médios empreendedores dessa região”.

Outra presença feminina de destaque no setor de factoring é Cleonice de Cicco da Four Factoring de Guarulhos SP, que acredita que a mulher merece uma data para ser comemorada e lembrada, afinal, todas as mulheres lutam para que tudo ao seu redor seja melhor.

“Felizmente a mulher deixou de ser apenas um ser reprodutor e, por meio de muito empenho, passou a assumir papéis que antes eram somente preenchidos por homens. Esses papéis são desempenhados com muita dedicação, empenho, coragem, mas também com graça, simpatia e equilíbrio entre tantas tarefas, preocupação com seu bem-estar e dos demais que a cercam, sem esquecer da maquiagem e do salto alto, afinal, a feminilidade não pode nunca ser deixada de lado”.

Cleonice ressalta que a mulher pode prosperar em qualquer setor. E, no segmento de fomento mercantil é cada vez mais comum ver as mulheres assumindo papéis de liderança, estando à frente de equipes comerciais, de prospecção, negociação ou qualquer área que antes era predominantemente do universo masculino. “Não é necessário competição entre estes universos, simplesmente cada um desempenha seu papel, lembrando que, mesmo com toda a emancipação feminina, precisamos dos homens, de ter carinho e proteção, assim como eles precisam do nosso apoio e ternura”, conclui.