ANFAC apoia iniciativas de responsabilidade social para promover ética nos negócios

Alexandre Dumont, vice-presidente de Responsabilidade Social Empresarial da ANFAC, comenta as ações realizadas pela entidade

No cenário mundial contemporâneo, a responsabilidade social é um conceito em que as empresas decidem, de forma voluntária, contribuir para uma sociedade mais justa. Com base nesse princípio, a gestão das empresas não deve ser norteada apenas para o cumprimento de interesses dos seus proprietários, mas também pelos interesses de seus colaboradores, das comunidades locais, dos clientes, dos fornecedores, e da sociedade em geral.

Desde 2005 a ANFAC – Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil – Factoring – mantém um departamento de responsabilidade social. Alexandre Dumont, vice-presidente de Responsabilidade Social Empresarial da ANFAC, explica como funciona este trabalho. “Nosso objetivo é a conscientização de que a ética aumenta o capital moral das pessoas. Por isso, trabalhamos para promover a ética como o caminho mais curto no combate à corrupção, porque sem confiança não se consegue trabalhar”.

Ao longo desses anos, a ANFAC esteve a frente de diversas iniciativas de responsabilidade social para o setor de factoring. Dumont destaca o 1º Seminário Nacional de Responsabilidade Social no Comércio e Serviços, em Belo Horizonte, realizado pela Fundação CDL e que teve a ANFAC como parceira institucional, com palestras específicas para o fomento mercantil (2005), o ciclo de palestras para o fomento mercantil sobre a importância da ética e responsabilidade social nos negócios (2006), e a parceria com o Instituto Ethos de Responsabilidade Social, de São Paulo, que em 2007 contribuiu com a formação de 20 empresários mineiros após um ano do curso “Pacto pela Integridade e Contra Corrupção”, realizado nas instalações e com o apoio técnico da FIEMG – Federação das Indústrias de Minas Gerais. Essa parceria foi consolidada em 2010, no X Congresso Brasileiro de Fomento Mercantil, em que o compromisso com a ética nos negócios se firmou com a assinatura do Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção.

Em 2012, durante o XI Congresso de Fomento Mercantil, realizado em fevereiro na cidade de Araxá (MG), a ANFAC assinou um Contrato com a Fundação CDL para o Curso de Capacitação Inicial do Adolescente Aprendiz e a inclusão no PET – Programa de Educação e Trabalho, de no mínimo 30 adolescentes da Vila Pinho, uma região carente de Belo Horizonte.

“O primeiro emprego é um dos maiores desafios que o brasileiro tem que enfrentar, e isso independe da classe social. Mas, se for um adolescente carente, essa conquista é ainda mais difícil. Trabalho com a comunidade da Vila Pinho desde 1993, e por isso sei o quanto esta iniciativa tem uma força transformadora para esses jovens”, comentaDumont.

Durante o ano foram realizados dois cursos com 30 adolescentes cada, em junho e novembro de 2012, dos quais 21 já estão trabalhando e os demais serão contratados de acordo com a demanda do mercado. Para Alexandre Dumont, este gesto concreto de solidariedade da ANFAC foi muito importante por promover pessoas, criando condições de trabalho, renda e uma perspectiva de vida mais digna para todos esses jovens.

“Com este gesto concreto nós encerramos a terceira etapa do nosso trabalho, que começou pela conscientização da importância da Ética e da Responsabilidade Social, como Dr. Alberto Augusto Perazzo, e que passou pelo Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção, assinado com o Instituto Ethos de Responsabilidade Social”.

Dumont reforça que a parceria com a Fundação CDL, que desde 1986 promove ações sociais e culturais para amparar jovens e crianças carentes de Belo Horizonte, tem como objetivo a formação empreendedora e ética dos jovens. E acrescenta que as empresas de fomento mercantil devem estar cientes da importância da responsabilidade social em suas atividades.

“Muitas pessoas confundem responsabilidade social com filantropia, mas essa é uma visão distorcida. A responsabilidade social vai além da filantropia e não pode ter como objetivo o marketing ou a promoção pessoal. Na verdade, ela representa a responsabilidade pelos nossos atos, significa ter transparência e lealdade, com quem nos relacionamos seja família, amigos, colaboradores, clientes ou governo. Temos que ter uma postura profissional e ética, traduzindo essa postura em atos e gestos concretos na nossa vida”, conclui.

Luiz Lemos Leite, presidente da ANFAC, recorda com carinho uma das iniciativas bem sucedidas, em dezembro de 2005, ao patrocinar a reforma de um consultório odontológico ambulante, instalado num trailer, destinado a atender aos moradores mais necessitados da Vila Pinho, em particular as crianças.

A entrega do veículo integralmente restaurado foi comemorada com a celebração de uma missa seguida de um evento de que participaram crianças e adultos residentes na Vila Pinho, o que proporcionou bem estar e estímulo ao desenvolvimento social, oferecendo condições mais satisfatórias de trabalho para aquela comunidade na busca de seu sustento.