Busca do consumidor por crédito cresce em março

Após ter recuado por dois meses consecutivos – quedas de 2,5% em janeiro/15 e de 10,7% em fevereiro/15 – a demanda do consumidor por crédito reagiu em março/15. De acordo com o Indicador Serasa Experian da Demanda do Consumidor por Crédito, a quantidade de pessoas que buscou crédito avançou 16,7% em março/15 frente ao mês imediatamente anterior. Também na comparação interanual, isto é, com relação a março/14, houve avanço de 14,9% na busca do consumidor por crédito, fazendo o primeiro trimestre de 2015 encerrar com alta acumulada de 5,9% na demanda do consumidor por crédito, quando comparada com o primeiro trimestre do ano passado.

De acordo com os economistas da Serasa Experian, o resultado positivo de março/15 foi impactado pelo feriado móvel do carnaval, que neste ano caiu em fevereiro (no ano passado, havia caído em março). Assim, tivemos 22 dias úteis em março deste ano contra 18 em fevereiro/15 e 19 em março/14. Fazendo, então, o ajuste por dias úteis, a demanda do consumidor por crédito teria recuado 5,0% em março/15 contra fevereiro/15 e teria apresentado queda de 0,8% perante março/14, refletindo o momento conjuntural adverso à ampliação do endividamento dos consumidores (inflação alta, taxas de juros em ascensão e perspectivas de elevação do nível de desemprego no país).

Análise por classe de renda pessoal mensal

A demanda do consumidor por crédito cresceu no mês de março em todas as faixas de renda. Para os consumidores que ganham até R$ 1.000 por mês, a alta foi de 16,8% frente a fevereiro/15. Para os que ganham entre R$ 1.000 e R$ 2.000 mensais e os que recebem entre R$ 2.000 e R$ 5.000, os aumentos foram bastante próximos, de 15,6% e 15,3%, respectivamente. O mesmo ocorreu com as faixas de rendas mensais mais altas: 14,8% para os que ganham entre R$ 5.000 e R$ 10.000 por mês e 14,7% para rendas mensais superiores a R$ 10.000 por mês.

Na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, houve retração na demanda por crédito na faixa menor de renda mensal: queda de 8,5% para os consumidores que recebem até R$ 500 por mês. Para os que ganham entre R$ 500 e R$ 1.000 mensais, o crescimento no trimestre foi de 6,2%; para os que recebem entre R$ 1.000 e R$ 2.000 foi de 10,1%; e para os que possuem renda mensal entre R$ 2.000 e R$ 5.000, a alta foi de 5,7%. Houve crescimento menos pronunciado da demanda por crédito nas camadas de rendas mais elevadas da população neste primeiro trimestre de 2015: altas de 1,4% para os que ganham entre R$ 5.000 e R$ 10.000 e de 2,1% para aqueles que recebem mais de R$ 10.000 por mês.

Análise por região

Todas as regiões geográficas do país registraram elevações das demandas dos seus consumidores por crédito em março/15. As maiores delas ocorreram no Nordeste (alta de 18,0%) e no Sul (avanço de 17,3%). Em seguida tivemos as altas de 15,7% no Sudeste e de 14,5% no Norte. O menor avanço mensal em março/15 deu-se na região Centro-Oeste: 13,1% frente a fevereiro/15.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2014, todas as regiões registraram avanço da demanda dos seus consumidores por crédito neste primeiro trimestre de 2015: 17,9% no Centro-Oeste; 12,0% no Norte; 6,9% no Nordeste; 4,8% no Sul e 3,2% no Sudeste.

A série histórica deste indicador está disponível em http://www.serasaexperian.com.br/release/indicadores/demanda_pf_credito.htm.

Metodologia do indicador

O Indicador Serasa Experian da Demanda do Consumidor por Crédito é construído a partir de uma amostra significativa de CPFs, consultados mensalmente na base de dados da Serasa Experian. A quantidade de CPFs consultados, especificamente nas transações que configuram alguma relação creditícia entre os consumidores e instituições do sistema financeiro ou empresas não financeiras, é transformada em número índice (média de 2008 = 100). O indicador é segmentado por região geográfica e por classe de rendimento mensal.

Você também lê esta notícia em: http://noticias.serasaexperian.com.br/.