Crédito ao consumidor não irá se acelerar apesar da redução dos juros

O Indicador Serasa Experian de Perspectiva do Crédito ao Consumidor recuou 0,4% em março de 2012, atingindo o patamar de 100,1. Apesar da recente sequência de quedas mensais, o indicador ainda prevalece acima do nível 100, o que mostra que as concessões de crédito aos consumidores deverão continuar evoluindo em 2012, porém num ritmo mais lento que em 2011.

Segundo os economistas da Serasa Experian, os recentes movimentos de reduções dos juros anunciados por várias instituições financeiras não deverão produzir uma aceleração significativa do crédito a pessoa física. Isto porque o patamar ainda elevado da inadimplência do consumidor (que só agora começa a dar seus primeiros sinais de queda), gerando maior seletividade na concessão, bem como a forte ampliação do seu endividamento ocorrida nestes últimos anos, diminuindo o espaço para o consumidor em adquirir novos financiamentos, continuarão dificultando uma expansão do crédito de forma mais intensa, pelo menos a médio prazo.

Empresas

O Indicador Serasa Experian de Perspectiva do Crédito às Empresas cresceu 0,1% em março de 2012, atingindo o valor de 98,4. Como, por sua metodologia de construção, o indicador possui a propriedade de antever os movimentos cíclicos da concessão de crédito com seis meses de antecedência, o surgimento de variações mensais positivas neste indicador, sinaliza que o crédito às empresas tenderá a reagir mais intensamente aos estímulos econômicos durante o segundo semestre deste ano.

A ampliação dos incentivos fiscais, as perspectivas de melhora gradativa no quadro financeiro internacional e as reduções adicionais da taxa Selic deverão impulsionar a demanda das empresas por crédito, principalmente durante o segundo semestre de 2012, observam os economistas da Serasa Experian.

Metodologia dos Indicadores Serasa Experian de Perspectiva

O objetivo dos Indicadores Serasa Experian de Perspectiva é antever, num horizonte de seis meses, em que fase do ciclo estarão as seguintes variáveis econômicas: (i) atividade econômica, (ii) concessões reais de crédito ao consumidor, (iii) concessões reais de crédito às empresas, (iv) inadimplência do consumidor e (v) inadimplência das empresas. Em geral, as variáveis econômicas apresentam ciclos compostos por quatro fases distintas: (1) expansão, (2) reversão, (3) crise e (4) recuperação. Os Indicadores Serasa Experian de Perspectiva mostrarão, justamente, a posição cíclica, para os próximos seis meses, de cada uma destas variáveis.

Cada Indicador Serasa Experian de Perspectiva é construído analisando-se o poder explicativo e a antecedência de explicação de um universo de 325 variáveis econômicas e financeiras sobre a variável-objetivo. Para tanto, todas as 325 variáveis “candidatas” bem como a variável-objetivo foram filtradas usando-se a técnica de ondaletas, a qual nos permite estudar as relações entre as variáveis “candidatas” e a variável-objetivo em diversas escalas de tempo. Hoje, as ondaletas são adotadas em diversos campos, como a física (dinâmica molecular, astrofísica, geofísica – previsão de terremotos, mecânica quântica), processamento de imagem (análise de EEG e DNA, clima, reconhecimento da fala e visão artificial) e compressão de dados (o JPEG 2000 utiliza essa técnica).

No caso, utilizamos as escalas de tempo compreendidas de 16 a 32 meses e de 32 a 64 meses, faixas onde se caracterizam os movimentos dos ciclos econômicos.

Para cada escala de tempo foram selecionadas, das 325 variáveis “candidatas”, aquelas que antecipam, de forma significativa, a variável-objetivo entre 6 e 18 meses de antecedência. Selecionadas as variáveis “candidatas”, estas foram agregadas mediante a aplicação de componentes principais, após terem sido colocadas na mesma fase de 6 meses em relação à variável-objetivo.

O resultado composto, isto é, em cada escala de tempo, dos modelos de projeção entre a variável-objetivo e os componentes principais, colocado em base 100, constitui o Indicador Serasa Experian de Perspectiva.