Crédito às empresas aprofundará desaceleração neste segundo semestre

O Indicador Serasa Experian de Perspectiva do Crédito às Empresas recuou 0,6% em maio de 2011, a sétima queda mensal consecutiva, atingindo o valor de 99,5.

Como pela sua metodologia de construção o indicador tem a propriedade de antever os movimentos cíclicos da concessão de crédito com seis meses de antecedência, as sucessivas quedas mensais colocando o indicador abaixo do nível 100 sinalizam que o crédito às empresas deverá se desacelerar de forma mais acentuada ao longo do segundo semestre de 2011.

O atual momento de aperto das condições de crédito às empresas, que se traduz em taxas de juros mais elevadas, prazos médios menores e níveis de inadimplemento mais elevados, impõe restrições a um avanço mais acelerado do crédito às empresas. Além disto, o cenário de crescimento mais moderado da economia brasileira, especialmente durante o segundo semestre deste ano, desestimula a demanda das empresas por capital de giro, a qual também tende a crescer mais lentamente, observam os economistas da Serasa Experian.

Consumidor

O Indicador Serasa Experian de Perspectiva do Crédito ao Consumidor cresceu 0,3% em maio, atingindo o patamar de 100,1. Foi a quarta alta mensal consecutiva após uma sequência de dez quedas mensais ininterruptas, entre abril/10 e janeiro/11.

As recentes oscilações deste indicador ao redor do nível 100 sinalizam que o atual processo de desaceleração do crédito ao consumidor deverá se encerrar por volta do início do quarto trimestre deste ano.

As medidas macroprudenciais de restrição ao crédito, a elevação do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), a elevação dos níveis de inadimplência e a atual trajetória de aumento da taxa básica de juros (taxa Selic) continuarão impactando o ritmo de expansão do crédito ao consumidor durante os próximos meses, completando o seu ciclo de desaceleração. A partir daí, o ritmo de concessões de crédito às pessoas físicas entraria em rota de expansão mais equilibrada, produzindo impactos neutros do ponto de vista da aceleração do crescimento econômico e da taxa de inflação, salientam os economistas da Serasa Experian.

Metodologia dos Indicadores Serasa Experian de Perspectiva

O objetivo dos Indicadores Serasa Experian de Perspectiva é antever, num horizonte de seis meses, em que fase do ciclo estarão as seguintes variáveis econômicas: (i) atividade econômica, (ii) concessões reais de crédito ao consumidor, (iii) concessões reais de crédito às empresas, (iv) inadimplência do consumidor e (v) inadimplência das empresas. Em geral, as variáveis econômicas apresentam ciclos compostos por quatro fases distintas: (1) expansão, (2) reversão, (3) crise e (4) recuperação. Os Indicadores Serasa Experian de Perspectiva mostrarão, justamente, a posição cíclica, para os próximos seis meses, de cada uma destas variáveis.

Cada Indicador Serasa Experian de Perspectiva é construído analisando-se o poder explicativo e a antecedência de explicação de um universo de 325 variáveis econômicas e financeiras sobre a variável-objetivo. Para tanto, todas as 325 variáveis “candidatas” bem como a variável-objetivo foram filtradas usando-se a técnica de ondaletas, a qual nos permite estudar as relações entre as variáveis “candidatas” e a variável-objetivo em diversas escalas de tempo. Hoje, as ondaletas são adotadas em diversos campos, como a física (dinâmica molecular, astrofísica, geofísica – previsão de terremotos, mecânica quântica), processamento de imagem (análise de EEG e DNA, clima, reconhecimento da fala e visão artificial) e compressão de dados (o JPEG 2000 utiliza essa técnica).

No caso, utilizamos as escalas de tempo compreendidas de 16 a 32 meses e de 32 a 64 meses, faixas onde se caracterizam os movimentos dos ciclos econômicos.

Para cada escala de tempo foram selecionadas, das 325 variáveis “candidatas”, aquelas que antecipam, de forma significativa, a variável-objetivo entre 6 e 18 meses de antecedência. Selecionadas as variáveis “candidatas”, estas foram agregadas mediante a aplicação de componentes principais, após terem sido colocadas na mesma fase de 6 meses em relação à variável-objetivo.

O resultado composto, isto é, em cada escala de tempo, dos modelos de projeção entre a variável-objetivo e os componentes principais, colocado em base 100, constitui o Indicador Serasa Experian de Perspectiva.