Empresa individual protege patrimônio sem onerar acionista

Desde ontem os empreendedores brasileiros ganharam mais uma facilidade para tocar seus negócios, com a entrada em vigor da Lei 12.441, de 11 de julho de 2011, que instituiu a figura jurídica da Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli). A grande novidade é a de que o patrimônio do empresário estará protegido, sem necessidade de sócio ou mesmo de um “laranja”.

A avaliação é do advogado especialista em direito societário pela Fundação Getulio Vargas e professor do Instituto Paulista de Educação Continuada, Bruno Accorsi Saruê. “A grande vantagem é que o empresário terá maior proteção de seu patrimônio pessoal, sem precisar ter que recorrer a um sócio de fachada”, afirma. A figura do empresário individual não faz tal distinção.

O especialista advertiu, porém, de que a proteção do patrimônio pessoal não é absoluta. “A própria lei civil prevê situações em que essa limitação é quebrada”, diz. “A lei civil prevê a quebra em caso de confusão do patrimônio pessoal e da empresa e em caso de mau uso da personalidade jurídica – para praticar fraude, por exemplo”, exemplificou.

Isso também acontece, de acordo com Saruê, no âmbito tributário, caso o governo prove em ação judicial ou inquérito administrativo que houve deliberada intenção de fraudar o pagamento de tributo (sonegação de imposto). Para criar ou fazer de seu atual empreendimento em uma Eireli o empreendedor deve apresentar o contrato social da nova empresa.