Endividamento das famílias na Capital fica estável em 2012

O endividamento das famílias paulistanas registrou queda, em fevereiro, de 11 pontos percentuais na comparação com igual mês de 2011 e ficou em 42,8%. Em pesquisa divulgada ontem, a Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio -SP) apontou ainda que, em janeiro, o número de famílias que tinham algum tipo de dívida representava 42,4% do total. Para a entidade, a “pequena diferença” entre os dois primeiros meses do ano indica estabilidade.

O número de famílias com contas atrasadas ficou em 12,1% em fevereiro, alta de 1,6 ponto percentual em relação a janeiro e queda de 3,2% na comparação com o mesmo período do ano passado. Sendo que 3,9% dos endividados responderam que não têm condições para honrar todos os seus compromissos.

Entre os endividados, 18,2% deles têm mais da metade da renda comprometida para pagamento dos débitos. Para 53,8%, as dívidas consomem entre 11% e 50% dos rendimentos e para 23,5% o valor significa menos de 10% da renda.

O principal tipo de dívida é com o cartão de crédito, usado por 67,5% dos endividados, seguido pelos carnês (24,5%), crédito pessoal (15,3%) e financiamento de carro (12,4%).