FMI eleva previsão de crescimento mundial apesar da crise

O Fundo Monetário Internacional elevou nesta terça-feira sua previsão de crescimento mundial, para 3,5% em 2012, apesar da “anemia” na recuperação econômica do Ocidente.

O organismo financeiro internacional pediu aos países ocidentais para que tomassem medidas para remediar seus problemas econômicos e advertiu que os principais riscos estão na queda de crescimento da zona do euro e em uma eventual crise petroleira.

O Fundo projeta um crescimento para China acima de 8% em 2012 e 2013, dizendo que as dificuldades de seu setor exportador serão compensadas por uma demanda interna sustentável.

“O crescimento projetado para China será superior a 8% em 2012 e 2013, impulsionado pelo consumo e pelo investimento”, disseram as previsões econômicas mundiais publicadas nesta terça-feira pelo Fundo, que se mantiveram sem mudanças para o país asiático.

O organismo revisou ligeiramente para cima o crescimento para América Latina e Caribe em 2012, para 3,7% (3,6% em janeiro), em linha com um modesto avanço a nível mundial.

Para 2013, a região crescerá 4,1%, projeta o Fundo, em uma tendência ascendente que demonstra solidez, apesar do entorno complicado que supõe a ameaça de uma recessão na Europa e um crescimento muito discreto (2,1%) projetado para Estados Unidos.

Brasil e América do Sul

Anteriormente, o FMI havia projetado um crescimento de 4% para a região da América Latina e Caribe em 2012. Para o Brasil, o organismo internacional projetou um crescimento de 3% para este ano e de 4,1% para 2013.

A projeção para a economia brasileira está abaixo dos prognósticos para os demais países latino-americanos, para os quais o FMI prevê crescimento de 4,2% (Argentina), 3,6%( México) e 4,3% (Chile).

Para a América do Sul, o organismo projeta um incremento de 3,8% no PIB deste ano.