Fundos de investimento têm forte alta em agosto

A indústria de fundos de investimentos passa por um momento de mudanças. Números da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima) mostram uma diminuição constante da participação de pequenos investidores no patrimônio total dos gestores, e, mesmo em cenário de crise, um forte aumento da criação de novos fundos em agosto.

Segundo a Anbima, foram abertos 153 novos fundos mês passado, o maior volume dos últimos meses. Em julho este número ficou em 93. Nos últimos meses, o mês que chegou mais perto a agosto neste quesito, ainda segundo a Anbima, foi o de maio, com 112 aberturas. O número de contas chega a 10,7 milhões, distribuídos em 86 administradores e 431 gestores.

Mas estes novos fundos parecem seguir uma tendência de elitização de toda a indústria. A participação no patrimônio das pessoas físicas com baixo valor de investimento, que já chegou a ser de 30% na década passada, fechou o mês de agosto em 16,9%.

A diretora da entidade, Luciane Ribeiro, afirma que o fenômeno acontece porque o ritmo de crescimento dos pequenos investidores é menor do que o verificado entre os grandes. Em agosto, os fundos de investimento captaram R$ 7,9 bilhões.

Em contrapartida, na Bovespa houve uma retomada tímida das pessoas físicas nas negociações. O número de contas ativas, que já chegou a 300 mil, fechou agosto em 153 mil, depois de atingir o piso de 148 mil em julho. O volume de negócios totais na Bolsa cresceu 35% em agosto, com média diária superior a R$ 7 bilhões.

Mas isso não motivou as empresas a fazer novas emissões no mês passado, e o mercado de capitais teve movimentação somente de renda fixa, que girou R$ 6,4 bilhões, 85% dos quais em operações restritas.