Inadimplência do consumidor registra a primeira alta do ano

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor registrou crescimento de 4,9% em março de 2012, na comparação com fevereiro deste ano, representando a primeira elevação do ano. No fechamento do primeiro trimestre do ano, o índice apontou aumento de 18,2%, inferior ao de igual período de 2011 (21,4%). Na relação anual – março deste ano contra o mesmo mês do ano passado – o indicador apresentou alta de 19,8%.

Segundo os economistas da Serasa Experian, o aumento da inadimplência em março cumpriu a sazonalidade porque é um período em que o consumidor acabou de pagar o IPVA e ainda tem pressões do IPTU e dos gastos escolares sobre o seu orçamento. Os juros elevados também continuam impactando o consumidor mais endividado no cheque especial e no rotativo do cartão de crédito.

Além disso, é necessário considerar que fevereiro deste ano, com o feriado de Carnaval, teve 19 dias úteis, contra 22 dias úteis em março. Esse efeito calendário também se reflete neste aumento do indicador da inadimplência em março.

Na decomposição do indicador, todas as modalidades da inadimplência apresentaram alta. A inadimplência não bancária (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica e água) e os cheques sem fundos puxaram o crescimento do índice com variação de 6,9% e 18,0% e contribuição de 2,7% e 1,7%, respectivamente. As dívidas com os bancos e os títulos protestados contribuíram com 0,1% e 0,3%, respectivamente, para o aumento do indicador de inadimplência do consumidor. Confira na tabela abaixo:

Cresce o valor médio das dívidas

O valor médio das dívidas apresentou alta em março de 2012. A inadimplência não bancária cresceu 27,3%, os cheques sem fundos apresentaram elevação de 13%, assim como os títulos protestados e as dívidas com os bancos, que aumentaram 9,7% e 0,1%, respectivamente. Veja a tabela abaixo:

Metodologia do Indicador

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor reflete o comportamento da inadimplência em âmbito nacional. Considera as variações registradas no número de cheques sem fundos, títulos protestados, dívidas vencidas com bancos e dívidas não bancárias (lojas em geral, cartões de crédito, financeiras, prestadoras de serviços como fornecimento de energia elétrica, água, telefonia etc.) em todo o país. Por levar em conta o inadimplemento das pessoas físicas nas mais diversas modalidades, e não apenas dentro do sistema financeiro, o índice da Serasa Experian consegue capturar movimentos cíclicos de inadimplência, que, muitas vezes, revelam ocorrências que vão se manifestar no sistema bancário dentro de 6 a 12 meses.