IPCA-15 em abril apontou para inflação mais pressionada no fechamento do mês

O IPCA-15 de abril registrou alta de 0,43%, em linha com nossa projeção (0,42%) e acima da mediana do mercado (0,37%).

Os preços de vestuário, que tinham sido a principal surpresa baixista no indicador de março (registrando deflação atípica para o mês), voltaram ao campo positivo, confirmando a leitura de que a queda de março não seria mantida e que ocorreria uma recuperação desse grupo daqui para frente; essa visão foi inclusive corroborada pelos últimos resultados de IGP e FIPE.

Além disso, os preços de serviços, que também tinham desacelerado em março, voltaram a acelerar devolvendo parte das surpresas baixistas do mês anterior. Com isso, os núcleos do IPCA voltaram a ficar mais pressionados.

Até o fechamento do mês se espera uma aceleração dos preços de alimentação, vestuário, cigarros e medicamentos. Dessa maneira, o resultado veio em linha com a visão de que no segundo trimestre não teremos mais notícias positivas para inflação como nos últimos meses e, embora ainda se vislumbre o IPCA de 12 meses cedendo e os núcleos em patamares confortáveis, na margem a inflação mostrará resultados mais fortes daqui para frente.