Marco regulatório favorece o ingresso de novas empresas no setor de fomento mercantil

A aprovação do PL nº 3615/2000, que está em fase final de tramitação no Congresso Nacional, deve favorecer o ingresso de novas empresas no segmento. O novo marco regulatório é importante para ampliar a segurança jurídica, aponta o presidente do Banco Petra, Fernando Marsillac, durante palestra proferida no XI Congresso Brasileiro de Fomento Mercantil, realizado pela Associação Nacional das Sociedades de Fomento Mercantil – Factoring (Anfac) na cidade de Araxá (MG), em comemoração dos 30 anos da atividade no Brasil.

A previsão legal é de que após a aprovação, deve ser definido qual será ó órgão regulador da atividade. A partir daí as empresas estabelecidas terão 180 dias para se adequar às novas regras.

Para o executivo do banco Petra, o setor vive momento de mudanças estruturais que precisa ser dimensionado sob as variáveis econômicas, socioculturais, político – legais e tecnológicas.

A atuação num mercado dinâmico e concorrencial exige que a atividade de fomento mercantil se diferencie pela prestação de serviços, com foco na aproximação e fidelização dos clientes. “A componente consultiva agrega valor ao segmento”, avalia.

Marsillac avalia o factoring como um conjunto de serviços que, além do aspecto mercantil, deve cada vez mais reforçar a consultoria e a orientação aos clientes em relação a sua gestão financeira e creditícia.

“Atualmente, o mercado é muito fragmentado e a consolidação pode ser um caminho natural”, aponta. “A queda da produção industrial e a alta liquidez de recursos acirram a concorrência e afetam diretamente as margens”, explica.