Número de novas empresas no Brasil registra queda em agosto

O Brasil ganhou 167.809 novos empreendimentos em agosto, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas. No mês anterior, 170.952 empresas foram criadas. No acumulado do ano já são 1,3 milhão de novos negócios

O Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas registrou a criação de 167.809 novos empreendimentos no Brasil em agosto deste ano, decréscimo de 1,8% em relação ao mês anterior, quando 170.952 novas empresas foram criadas. Apesar do recuo, o número atingiu o terceiro maior valor da série histórica, (iniciada em 2010) para um mês de agosto, atrás de agosto de 2011, quando 174.745 empresas surgiram no cenário nacional, e agosto de 2013, que totalizou 174.486.

Ainda segundo o Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas, entre janeiro e agosto de 2014 o total de novos empreendimentos criados dentro do território nacional foi de 1.283.439. Este número representa um avanço de 1,9% frente ao total de novas empresas surgidas durante o mesmo período de 2013 (1.259.102), sendo também maior que os totais registrados durante os mesmos períodos acumulados de 2012 (1.206.355), 2011 (1.137.030) e 2010 (973.188 novas empresas).

Nascimento de Empresas por natureza jurídica

O segmento dos Microempreendedores Individuais registrou a criação do maior número de empresas: 121.806 novos negócios em agosto, contra 123.069 em julho, queda de 1,0%. As Sociedades Limitadas ficaram em segundo lugar, com a criação de 20.453 empresas, queda de 5,7% em relação ao mês anterior, quando 21.688 empresas surgiram. A criação de Empresas Individuais caiu 3,9% e totalizou com 16.658 novas em agosto; em julho, o número era de 17.338. O surgimento de novas Empresas de outras naturezas jurídicas se manteve estável, com ligeira alta de 0,4%, com 8.892 nascimentos contra 8.857 do mês anterior.

Segundo o indicador, das 1.283.439 novas empresas criadas entre janeiro e agosto de 2014, 72,3% (927.881) foram de Microempreendedores Individuais (MEIs), 12,1% (155.395) de Sociedades Limitadas, 10,1% (129.499) de Empresas Individuais, e 5,5% do total (70.664) empresas de outras naturezas jurídicas.

A crescente formalização dos negócios no Brasil é responsável pelo aumento constante das MEIs, registrado desde o início da série histórica do indicador. Em quatro anos, passaram de quase metade do total de novos empreendimentos (44,5%, em 2010) para 72,3% no último levantamento.

Nascimento de Empresas por Região

O Sudeste segue liderando o ranking de nascimento de empresas, com 655.540 novos negócios abertos entre janeiro e agosto de 2014 ou 51,1% do total. A Região Nordeste ocupou o segundo lugar, com 17,9% (229.849 empresas). A Região Sul segue em terceiro lugar, com 16,4% de participação e 209.895 novas empresas. O Centro-Oeste registrou a abertura de 121.075 empresas e foi responsável por 9,4% de participação, seguido pela Região Norte, com 67.080 novas empresas e 5,2% do total de empreendimentos inaugurados.

A Região Sudeste foi a que mais registrou aumento no número de nascimentos (alta de 4,3%) comparando-se os meses compreendidos entre janeiro e agosto de 2014 com igual intervalo do ano anterior. A região Sul ficou em segundo lugar, com ligeira alta de 0,3% em relação a 2013. A região Nordeste apresentou baixa de 0,2% na criação de novos empreendimentos, e na região Centro Oeste também houve decréscimo de 0,6%. A maior queda foi registrada na região Norte, que teve diminuição de 3,6% nos nascimentos de novas empresas.

Nascimento de Empresas por Setor

O setor de serviços é o mais procurado por quem quer empreender: de janeiro a agosto de 2014, 757.780 novas empresas surgiram neste segmento, o equivalente a 59,0% do total. Em seguida, 404.068 empresas comerciais (31,5% do total) e, no setor industrial, foram abertas 108.171 empresas (8,4% do total) neste mesmo período.

Observam-se nos últimos cinco anos, um crescimento constante na participação das empresas de serviços no total de empresas que nascem no país. Esta participação aumentou seis pontos percentuais entre os oito primeiros meses de 2010 (53,0% do total) e o mesmo período de 2014 (59,0% do total).

Por outro lado, a participação do setor comercial de empresas que surgem no país tem recuado nos últimos anos (de 35,5% entre janeiro e agosto de 2010 para 31,5% no mesmo período de 2014). Já a participação das novas empresas industriais se mantém estável.

Metodologia do estudo sobre Nascimento de Empresas

Para o levantamento do Nascimento de Empresas foi considerada a quantidade mensal de novas empresas registradas nas juntas comerciais de todas as Unidades Federativas do Brasil bem como a apuração mensal dos CNPJs consultados pela primeira vez à base de dados da Serasa Experian.

Você também lê esta notícia em http://noticias.serasaexperian.com.br.