PanAmericano compra financeira e entra no setor imobiliário

Bancado pelo BTG Pactual – do banqueiro André Esteves – e pela Caixa Econômica Federal, o Banco PanAmericano decidiu comprar a BFRE (Brazilian Finance & Real Estate S.A.), maior financeira independente do crédito imobiliário no país. O valor do negócio, que marca a entrada do PanAmericano e do Pactual no crédito imobiliário, é de cerca de R$ 940 milhões.

A Brazilian Finance é uma holding que controla as empresas Brazilian Mortgages, Brazilian Securities e BM Sua Casa.

Segundo nota do PanAmericano, foi assinado um memorando de entendimentos não vinculante para a aquisição da totalidade das ações da holding. “Esta aquisição representa um importante passo no reposicionamento do PanAmericano e assegura seu ingresso no segmento de crédito imobiliário”, informa a nota.

A BFRE atua na concessão de financiamento imobiliário para pessoas físicas, nos financiamentos para incorporadores e construtoras e na securitização de recebíveis imobiliários.

“A aquisição da BFRE permitirá a incorporação de uma plataforma consolidada de originação de crédito, com margens atraentes, em um mercado com grande potencial de crescimento”, disse José Luiz Acar, presidente do PanAmericano.

Com a aquisição, o banco pretende diversificar seus negócios. A nova estratégia do grupo terá como foco o financiamento ao consumo, o crédito hipotecário, os seguros e o financiamento a empresas.

Para financiar a aquisição, os sócios vão ter de fazer um aumento de capital de R$ 1,8 bilhão no PanAmericano. A parte da Caixa deverá ser de R$ 650 milhões.

“Esse volume de recursos vai dar suporte para aumentar nossas linhas de negócios”, disse Luiz Acar Pedro, presidente do PanAmericano.

Depois que a operação for concluída, o banco irá incorporar os 88 pontos de venda da BM Sua Casa.

O PanAmericano ficará com os ativos de originação, financiamento e securitização de imóveis, com preço de aquisição de R$ 940,36 milhões.

Já o BTG assumirá os negócios de gestão e as atividades de administração da Brazilian Finance, com valor estimado de R$ 275 milhões. Aumento de capital O preço de emissão das novas ações será de R$ 6,05 por papel ordinário ou preferencial, com base na média das cotações dos últimos 180 pregões da Bovespa. Nesta quarta, a ação preferencial do Panamericano encerrou a sessão a R$ 6,53 reais, em queda de 2,54%.

De acordo com o PanAmericano, o objetivo com o aporte de recursos é viabilizar o crescimento das atividades do banco, otimizar o aproveitamento do estoque de créditos fiscais e permitir a realização de novos investimentos e aquisições, inclusive a da Brazilian Finance.

No aumento de capital, a TPG-Axon poderá usar até R$ 182,1 milhões dos valores que receber pela venda da participação na Brazilian Finance para subscrever ações preferenciais do PanAmericano. O BTG cederá à TPG-Axon seu direito à subscrição das ações necessárias.

O memorando de entendimentos firmado entre o Panamericano, o BTG e os sócios da Brazilian Finance é válido até 31 de janeiro de 2012. Até lá, PanAmericano e BTG têm exclusividade para negociar a conclusão da compra da Brazilian Finance.