Pequenas e microempresas devem se beneficiar com aumento do salário mínimo

O aumento de 14% do salário mínimo, que passou de R$ 545 a R$ 622, no início deste mês deve impactar positivamente os pequenos negócios. A expectativa de economistas é de que este dinheiro seja gasto em comércios próximos à área de moradia das pessoas que recebem o mínimo, o que eleva a possibilidade de que as compras sejam feitas em negócios de pequeno porte.

De acordo com o Dieese, o reajuste no salário mínimo deve injetar R$ 47 bilhões na economia brasileira. Os R$ 77 a mais que trabalhadores e aposentados vão receber devem ir direto para o consumo. “A propensão destes R$ 47 bilhões irem para o consumo é de quase 100%. Para quem ganha um, dois ou três salários mínimos, há muito pouco espaço para investimentos. Essas pessoas vão comprar perto de suas casas, para não terem de gastar com transportes”, disse Ilmar Ferreira, economista do Dieese.

Já para Luiz Barretto, presidente nacional do Sebrae, os pequenos empresários devem buscar capacitação para aproveitar esse bom momento da economia brasileira. “O aumento da renda é um incentivo natural aos negócios, mas faz crescer também a concorrência. Então aqueles empreendedores que buscam a inovação e uma gestão mais profissionalizada ampliam suas oportunidades”, afirma.

A expectativa é que a maior parte dos gastos se destine à alimentação, que consome cerca de 40% da renda de quem ganha em torno de um salário mínimo.