Resultados do XI Congresso Brasileiro de Fomento Mercanti

O XI Congresso Brasileiro de Fomento Mercantil, realizado de 08 a 11.02.2012, em Araxá (MG), comemorou 30 anos de profícuo trabalho institucional da Anfac e, em consequência, de sucesso da atividade empresarial do fomento mercantil, que vem ganhando, cada vez mais, espaço na economia brasileira.

A Anfac já realizou onze congressos, sendo seis em São Paulo, um em Fortaleza, um no Rio de Janeiro, um em Porto Alegre, um em Porto de Galinhas e um em Araxá, cada um com suas peculiares características.

A escolha de Minas, como sede do XI Congresso, teve o intuito de prestigiar as empresas de fomento mercantil daquele Estado e reiterar ser imperioso fortalecer a união de todos quantos atuam no setor abrigados num pacto federativo integrado pela Anfac e pelos seus 18 sindicatos conveniados.

Araxá se constituiu em mais uma oportunidade para reunir empresários, provenientes de todos os quadrantes do país, intercambiar ideias, compartilhar experiências e dividir conhecimentos num ambiente de descontração emoldurado pela tranquilidade de um bucólico cenário como o daquela aprazível cidade do Triângulo Mineiro.

Porém, o XI Congresso, indiscutivelmente, se destacou pela excelência e pela objetividade das palestras, de alto nível, com temas que se inter-relacionavam e se complementavam de tal modo a oferecer um buquê de informações úteis sobre economia, direito, responsabilidade social e gestão de empresas e de pessoas, elementos indispensáveis à governança corporativa das empresas de fomento mercantil, inseridas, cada vez mais, num mercado de inovação em tecnologia e em marketing para responder à demanda de sua enorme clientela – 150 mil empresas.

A Anfac, no exercício de sua missão institucional, preocupou-se em elaborar uma programação de palestras com ênfase no escopo teleológico do factoring, ou seja, o verdadeiro alvo do factoring historicamente, pelo seu caráter de multisserviços, deve permitir às suas empresas clientes, pequenas e médias, substituir uma parte de seus custos fixos por outros, proporcionais ao giro dos seus negócios, para que efetivamente esse mecanismo se transforme em uma fonte potencial de economia, liberando-as para melhor gestão empresarial e elevando o nível de competitividade de seus produtos ou serviços.

Com efeito, o modelo da Anfac está construído sobre princípios de uma doutrina coerente com a essência do negócio do factoring, que, naturalmente em sua operacionalização, necessita contar com ferramentas que possam coadjuvar no desenvolvimento de novas habilidades e competências para aprimoramento de sua performance, tais como: produtos e serviços específicos para o mercado de fomento mercantil, disponibilizados por instituições financeiras; por empresas prestadoras de serviços de tecnologia, de logística, de informações comerciais e creditícias; de produtos e serviços do mercado de capitais como debêntures e FIDC – Fundo de Investimentos e Direitos Creditórios, dentre outros. E, também, de programas especializados de qualificação, reciclagem e treinamento com o objetivo de formar gestores capazes de gerar ganhos crescentes de rentabilidade e liquidez para as empresas de fomento mercantil.

A Anfac, não há como ignorar, é empreendimento vitorioso no Brasil por ter conseguido emplacar o factoring como atividade exitosa, de credibilidade e de inestimável valia socioeconômica para o País, que se distingue de qualquer outra pelas suas inconfundíveis peculiaridades operacionais.

Resta-nos, então, conclamar nossos empresários a valorizar seu negócio como profissionais que dele retiram os seus meios de subsistência, de sua família e de seus colaboradores.

Mais uma vez nossas homenagens aos empresários e profissionais que prestigiaram o memorável evento realizado pela Anfac em Araxá – Minas Gerais.

* Luiz Lemos Leite, presidente da Anfac